Os Problemas são oportunidades para nos fortelecer!!!

Os Problemas são oportunidades para nos fortelecer!!!
Este blog foi inspirado pelos jovens da Caravana Arco Iris, então para facilitar o entendimento do porque de tudo isso, fiz a postagem de algumas psicografias de meu filho Erick Ibelli, e para mostrar que na vida nada acontece por acaso!!! A vida continua e a nossa passagem pela Terra, é apenas uma parte do caminho!!! Irene Ibelli

domingo, 27 de fevereiro de 2011

O Velho Problema das Drogas


O Velho Problema das Drogas

Recentemente a Rádio Bandeirantes levou ao ar uma série de reportagens sobre o velho problema das drogas.
Vários profissionais da área foram ouvidos e, infelizmente, pelas considerações feitas, ficou entendido que grande parte da responsabilidade pelo uso de drogas na adolescência, recai sobre os ombros dos pais.
O que geralmente acontece, é que os pais não observam algumas noções básicas para se formar um indivíduo consciente das suas responsabilidades e resistente ao apelo das drogas.
Pensando em fazer o melhor, os pais começam por isentar os filhos de qualquer obrigação.
Para poupá-los, executam as tarefas que lhes dizem respeito.
Quando os filhos são pequenos os pais se desdobram para fazer tudo, providenciar tudo para que nada lhes falte e para que não tenham que enfrentar frustrações nem quaisquer dificuldades.
Se pudessem, os pais os poupariam até mesmo das enfermidades, dos pequenos tombos, das dores, dos arranhões...
Quando a criança começa sua jornada na escola, os pais as acompanham e carregam a sua mochila e, alguns, até fazem as lições de casa para poupar possíveis reprimendas de seus mestres.
E assim a criança vai crescendo num mundo de ilusões, pois essa não é a realidade que terão que enfrentar logo mais, quando tiverem que caminhar com as próprias pernas.
Imaginemos alguém que nunca teve oportunidade de dar alguns passos, que sempre foi carregado no colo, que forças terá para se manter de pé?
É evidente que essa criança, quando chegar na adolescência, não terá estrutura nenhuma.
Diante da primeira dificuldade ficará vulnerável como uma flor de estufa aos primeiros golpes do vento.
Ela não aprendeu a suportar frustrações, pois os pais as evitaram o quanto puderam. Ela nunca teve nenhuma responsabilidade a lhe pesar sobre os ombros.
Jamais sofreu uma decepção e sempre teve a razão a seu favor, até mesmo nas pequenas rixas com os amiguinhos da infância.
Crianças criadas assim, não estão preparadas para pensar, nem para sair de dificuldades, nem para resolver problemas. Sempre esperam que alguém resolva tudo por elas, pois essa foi a lição que receberam dos pais ou responsáveis.
Mas, afinal de contas, quem é que pode passar pelo mundo isento de dificuldades?
Isso é impossível, em se tratando do nosso mundo.
E o problema está justamente quando a criança, agora adolescente, sofre seu primeiro solavanco, que pode até não ser tão grave, mas é suficiente para abalar sua estrutura frágil, agora longe do olhar vigilante dos pais.
Psicólogos e psiquiatras, entre outros profissionais que se pronunciaram na referida reportagem, aconselham que os pais evitem que seus filhos venham a usar drogas, dando-lhes uma educação consciente, que prepara o indivíduo para viver no mundo real e não num mundo ilusório por eles idealizado.
É preciso que os pais repensem essa forma de amor sem raciocínio, esse amor permissivo, bajulador e sem consistência. É preciso permitir que os filhos andem com as próprias pernas, amparando-os sempre, mas deixando-os fortalecer os próprios "músculos".
É preciso deixá-los enfrentar pequenas frustrações, como não ganhar o brinquedo igual ao do filho do vizinho, por exemplo.
Como não ganhar o álbum de figurinhas que todos os colegas da escola têm.
Educar é a arte de formar os caracteres do educando, e não de deformar.
Assim, se você é pai ou mãe e tem interesse em manter seu filho longe das drogas, pense com carinho a respeito das recomendações que lhe chegam.
E, acima de tudo, doe muito amor e atenção aos seus pequenos, pois quem ama, verdadeiramente, ensina a viver e não faz sombra para impedir o crescimento dos seus amores.
Se você quer que seu filho tenha os pés no chão, coloque responsabilidades sobre seus ombros.
Se você quer que seu filho resista aos vendavais da existência e ao convite mortal das drogas, permita que ele firme suas raízes bem fundo, mesmo que para isso tenha que se dobrar de vez em quando, como faz a pequena árvore enquanto seu tronco está em formação.
Pense nisso, mas, pense agora!


***************
 Irene Ibelli

AS DROGAS E SUAS IMPLICAÇÕES ESPIRITUAIS


As Drogas e suas Implicações Espirituais

I— Introdução
Um dos problemas mais graves da sociedade humana, na atualidade, é o consumo indiscriminado e, cada vez mais crescente, das drogas por parte não só dos adultos, mas, também, dos jovens e lamentavelmente até das crianças, principalmente nos centros urbanos das grandes cidades.

A situação é tão preocupante, que cientistas de várias partes do Planeta, reunidos, chegaram à seguinte conclusão: "Os viciados em drogas de hoje podem não só estar pondo em risco seu próprio corpo e sua mente, mas fazendo uma espécie de roleta genética, ao projetar sombras sobre os seus filhos e netos ainda não nascidos."

Diante de tal flagelo e de suas terríveis conseqüências, não poderia o Espiritismo, Doutrina comprometida com o crescimento integral da criatura humana na sua dimensão espírito-matéria, deixar de se associar àqueles segmentos da sociedade que trabalham pela preservação da vida e dos seus ideais superiores, em seus esforços de erradicação de tão terrível ameaça.

O efeito destruidor das drogas é tão intenso que extrapola os limites do organismo físico da criatura humana, alcançando e comprometendo, substancialmente, o equilíbrio e a própria saúde do seu corpo perispiritual. Tal situação, somada àquelas de natureza fisiológica, psíquica e espiritual, principalmente as relacionadas com as vinculações a entidades desencarnadas em desalinho, respondem, indubitavelmente, pelos sofrimentos, enfermidades e desajustes emocionais e sociais a que vemos submetidos os viciados em drogas.

Em instantes tão preocupantes da caminhada evolutiva do ser humano em nosso planeta, cabe a nós espíritas, não só difundir as informações antidrogas que nos chegam do plano espiritual benfeitor que nos assiste, mas, acima de tudo, entender e atender aos apelos velados que estes amigos espirituais nos enviam com seus informes e relatos contrários ao uso indiscriminado das drogas, no sentido de envidarmos esforços mais concentrados e específicos no combate às drogas, quer no seu aspecto preventivo, quer no de assistência aos já atingidos pelo mal.


II — A ação das drogas no perispírito
Revela-nos a ciência médica que a droga, ao penetrar no organismo físico do viciado, atinge o aparelho circulatório, o sangue, o sistema respiratório, o cérebro e as células, principalmente as neuroniais.

Na obra "Missionários da Luz" — André Luiz (pág. 221 — Edição FEB), lemos: "O corpo perispiritual, que dá forma aos elementos celulares, está fortemente radicado no sangue. O sangue é elemento básico de equilíbrio do corpo perispiritual." Em "Evolução em dois Mundos", o mesmo autor espiritual revela-nos que os neurônios guardam relação íntima com o perispírito.

Comparando as informações destas obras com as da ciência médica, conclui-se que a agressão das drogas ao sangue e às células neuroniais também refletirá nas regiões correlatas do corpo perispiritual em forma de lesões e deformações consideráveis que, em alguns casos, podem chegar até a comprometer a própria aparência humana do perispírito. Tal violência concorre até mesmo para o surgimento de um acentuado desequilíbrio do Espírito, uma vez que "o perispírito funciona em relação a este, como uma espécie de filtro na dosagem e adaptação das energias espirituais junto ao corpo físico e vice-versa.

Por vezes o consumo das drogas se faz tão excessivo, que as energias, oriundas do perispíríto para o corpo físico, são bloqueadas no seu curso e retornam aos centros de força.


III — A ação dos Espíritos inferiores junto ao viciado
Esta ação pode ser percebida através das alterações no comportamento do viciado, dos danos adicionais ao seu organismo perispiritual, já tão agredido pelas drogas, e das conseqüências futuras e penosas que experimentará quando estiver na condição de espírito desencarnado, vinculado a regiões espirituais inferiores.

Sabemos que, após a desencarnação, o Espírito guarda, por certo tempo, que pode ser longo ou curto, seus condicionamentos, tendências e vícios de encarnado. O Espírito de um viciado em drogas, por exemplo, em face do estado de dependência a que ainda se acha submetido, no outro lado da vida, sente o desejo e necessidade de consumir a droga. Somente a forma de satisfazer seu desejo é que irá variar, já que a condição de desencarnado não lhe permite proceder como quando na carne. Como Espírito precisará vincular-se à mente de um viciado, de início, para transmitir-lhe seus anseios de consumo da droga, posteriormente para saciar sua necessidade, valendo-se para tal do recurso, ou da vampirização das emanações tóxicas impregnadas no perispírito do viciado ou da inalação dessas mesmas emanações quando a droga estiver sendo consumida.

"O Espírito de um viciado em drogas, em face do estado de dependência a que se acha submetido, no outro lado da vida, sente a desejo e a necessidade de consumir a droga"

Essa sobrecarga mental, indevida, afeta tão seriamente o cérebro, a ponto de este ter suas funções alteradas, com consequente queda no rendimento físico, intelectual e emocional do viciado. Segundo Emmanuel, "o viciado ao alimentar o vício dessas entidades que a ele se apegam, para usufruir das mesmas inalações inebriantes, através de um processo de simbiose em níveis vibratórios, coleta em seu prejuízo as impregnações fluídicas maléficas daqueles, deixando o viciado enfermiço, triste, grosseiro, infeliz, preso à vontade de entidades inferiores, sem o domínio da consciência dos seus verdadeiros desejos".


IV — Contribuição do Centro Espírita no trabalho antidrogas desenvolvido pelos Benfeitores Espirituais
As Casas Espíritas, como Pronto-Socorro espirituais, muito podem contribuir com os Espíritos Superiores no trabalho de prevenção e auxílio às vítimas das drogas nos dois lados da vida. Com certeza, esta contribuição poderia ocorrer através de medidas que, no dia-a-dia da instituição ensejassem:

1. Um incentivo cada vez mais constante às atividades de evangelização da infância e da juventude, principalmente com sua implantação, caso a Instituição ainda não o tenha implantado.
2. Estimular seus freqüentadores, em particular a família do viciado em tratamento, à prática do Evangelho no Lar. Estas pequenas reuniões, quando realizadas com o devido envolvimento e sinceridade de propósitos, são fontes sublimes de socorro às entidades sofredoras, além, naturalmente, de concorrer para o estreitamento dos laços afetivos familiares, o que decerto estimulará o viciado, por exemplo, a perseverar no seu propósito de libertar-se das drogas ou a dar o primeiro passo nesse sentido.
3. Preparar devidamente seu corpo mediúnico para o sublime exercício da mediunidade com Jesus, condição essencial ao socorro às vítimas das drogas, até mesmo as desencarnadas.
4. No diálogo fraterno com o viciado e seus familiares, sejam-lhes colocados à disposição os recursos socorristas do tratamento espiritual: passe, desobsessão, água fluidificada e reforma íntima.
5. Criar, no trabalho assistencial da Casa, uma atividade que enseje o diálogo, a orientação, o acompanhamento e o esclarecimento, com fundamentação doutrinária, ao viciado e a seus familiares.


V — Conclusão
Diante dos fatos e dos acontecimentos que estão a envolver a criatura humana, enredada no vício das drogas, geradores de tantas misérias morais, sociais, suicídios e loucuras, nós, espíritas, não podemos deixar de considerar esta realidade, nem tampouco deixar de concorrer para a erradicação deste terrível flagelo que hoje assola a Humanidade. Nesse sentido, urge que intensifiquemos e aprimoremos cada vez mais as ações de ordem preventiva e terapêutica, já em curso em nossas Instituições, e que, também, criemos outros mecanismos de ação mais específicos neste campo, sempre em sintonia com os ensinamentos do Espiritismo e seu propósito de bem concorrer para a ascensão espiritual da criatura humana às faixas superiores da vida.


****************
 Irene Ibelli

Drogas na Juventude


Drogas na Juventude

A questão das drogas deve ser observada com muita atenção por todos os setores da sociedade nos dias atuais. Uma importante justificativa para isso são os resultados de estudos feitos pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), que foram reunidos em um livro intitulado Drogas na Escola, o qual foi lançado no dia 11 de novembro de 2002, em Brasília. Para elaborar esses estudos, a UNESCO entrevistou 50.049 alunos de escolas públicas e privadas de ensino fundamental e ensino médio em todo o Brasil. A amostra de alunos foi baseada em probabilidades, de modo que as deduções resultantes da pesquisa pudessem ser generalizadas para o universo de estudantes das 14 maiores capitais brasileiras, o que equivale a um total de 4.663.301 alunos.
Nestas entrevistas foi constatado que um grande número de jovens hoje em dia consome com certo grau de regularidade algum tipo de droga, lícita ou ilícita (ver tabela). Qual será o motivo de tantos adolescentes porem em risco suas vidas para irem em busca dessas substâncias que, embora inicialmente lhes proporcionem sensações de prazer, com o passar do tempo acabam se tornando a causa de tantos sofrimentos para eles?
Muitas razões são mencionadas: curiosidade, rebeldia, necessidade de auto-afirmação, etc. Todas estas causas são válidas, mas não são as mais importantes. O Espiritismo nos fornece explicações simples e claras para compreendermos esta questão.
Recorremos a Joanna de Ângelis, que no seu livro Adolescência e Vida1, no capitulo "O Adolescente e o Problema das Drogas" (pág. 122 a 126), destaca como um dos principais motivos do jovem se viciar a rejeição que este sofre por parte da família, que não supre as suas necessidades afetivas e muitas vezes o incentiva a buscar substâncias químicas a fim de superar as dificuldades da vida e resolver seus conflitos interiores. Afirma Joanna que os pais, "demonstrando incapacidade para suportar esses problemas sem a ajuda de químicos ingeridos, abrem espaço na mente da prole, para que, ante dificuldades, fuja para os recantos da cultura das drogas que permanece em voga".
Neste mesmo capítulo, Joanna nos alerta que o destino final desses jovens que fazem uso de drogas é muito triste, caso não se livrem do vício a tempo. Afirma ela que "Todas estas drogas tornam-se convites-soluções para os jovens desequipados de discernimento, que se lhes entregam inermes, tombando quase irremissivelmente nos seus vapores venenosos e destruidores", o que significa que a ilusão daquele que usa drogas, procurando obter com elas uma fuga da realidade, acaba conduzido-o a uma situação muito mais difícil do que a que vivenciava antes de começar a fazer uso dos tóxicos.
São muitos os prejuízos que as drogas acarretam às pessoas que as usam. As emanações perniciosas provenientes dessas substâncias tóxicas, legais e ilegais, desarmonizam os chakras, que são centros vitais através dos quais o espírito, utilizando um envoltório fluídico que o reveste e que serve de intermediário entre ele e o corpo físico, envoltório esse chamado perispírito, distribui pelo nosso corpo físico as energias necessárias ao seu bom funcionamento. Mais informações sobre esses centros vitais podem ser encontradas no livro Entre a Terra e o Céu, do espírito André Luiz2 nas páginas 126 a 128. Os desequilíbrios desses chakras acabarão se refletindo em nosso organismo como na forma de distúrbios de natureza variada, pois todo mal físico tem sua origem no espírito imortal. Joanna de Ângelis em seu livro Autodescobrimento3, confirma essa informação quando diz, na página 38, que "Na raiz, portanto de qualquer enfermidade, encontra-se a distonia do espírito".
Estes distúrbios podem, por exemplo, atingir os pulmões daquele que fez uso do cigarro, o fígado do que abusou das bebidas alcoólicas e o sistema nervoso do usuário de cocaína. E se o espírito após desencarnar não melhorar seu estado mental e permanecer com a mente fixada nos tóxicos, as desarmonias em seus centros vitais terão reflexo no corpo físico que terá de usar em sua próxima encarnação. Esses reflexos se farão perceber no corpo carnal através de deformidades corporais ou de moléstias congênitas ou hereditárias. Este fato é mais uma prova de que sempre estaremos ligados às conseqüências boas ou ruins de nossos atos passados.
O vício das drogas também expõe quem as usa ao assédio de entidades espirituais inferiores. O espírito quando desencarna leva para o mundo espiritual todos os hábitos por ele cultivados na Terra. Então, se encarnado ele usava tóxicos, ao desencarnar, não procurando se desprender do vício, ele continuará a sentir dentro de si a necessidade de consumir esses mesmos tóxicos, mesmo estando sem seu corpo de carne. Para satisfazer esse seu desejo, ele voltará a Terra em busca de encarnados que façam uso de drogas e quando encontra algum viciado ele o submeterá a um processo obsessivo denominado vampirismo, que consiste em o espírito acoplar-se ao perispírito do encarnado e sugar as energias vitais de seus chakras.
Esse procedimento obsessivo em longo prazo resulta na desarmonização e desvitalização de seus centros vitais, dando origem a enfermidades físicas e mentais graves. E, após desencarnar, aquele que quando encarnado tinha suas energias sugadas, conservando-se viciado depois de desencarnar, passará a sorver as energias de outra pessoa consumidora de drogas, fazendo com que ela siga o mesmo caminho que ele seguiu, caso essa pessoa não altere o seu comportamento equivocado.
Diante destes quadros dolorosos, pergunta-se: Como evitar que as drogas nos dominem? Diversas sugestões já foram dadas para solucionar esse preocupante problema, sugestões essas que, embora respeitáveis, apresentam diversas falhas. A doutrina Espírita, novamente através de Joanna de Ângelis, em Adolescência e Vida (Pág. 125-126), nos apresenta a melhor das soluções. Diz ela que: "Em todo esse conflito e fuga pelas drogas, o amor desempenha papel fundamental, seja no lar, na escola, no grupo social, no trabalho, em toda parte, para evitar ou corrigir o seu uso ou o comportamento negativo".
Não há dúvida de que, na prevenção e no combate as drogas, a terapia do amor será sempre a mais eficaz. Na família, essa terapia deve ser exercida pela atenção e carinho que os pais devem sempre dispensar a seus filhos, atendendo-os nas suas necessidades emocionais e educando-os dentro dos princípios do evangelho. Os pais também devem dar aos filhos informações sobre as drogas, informando-os das implicações que seu consumo traz para quem as usa. Os centros espíritas também devem contribuir para a resolução desta problemática, desenvolvendo atividades de evangelização infanto-juvenil em suas dependências, atividades essas que auxiliarão os pais a informar os filhos sobre os malefícios das drogas e a implantar em seus jovens corações as virtudes evangélicas, defesas seguras contra qualquer tipo de mal.
E aquele que está tentando se livrar do vício das drogas encontrará no Espiritismo valiosos auxiliares, como os tratamentos pelo passe e pela água fluidificada, que o ajudarão a harmonizar os seus chakras, eliminando deles as vibrações deletérias resultantes do uso dos tóxicos. Além disso, através das reuniões de desobsessão, se houver algum espírito que o esteja estimulando a consumir drogas, este será esclarecido sobre sua conduta errada e do mal que o atingirá se não mudar de atitude e concluir por si mesmo que é melhor deixar sua vítima e buscar sua própria reabilitação.
Lembramos, porém, que a reforma íntima e a vontade firme de largar esse doloroso vício são os mais importantes instrumentos para se atingir a vitória nesta difícil batalha, pois os bons espíritos sempre estarão ao lado de todo aquele que realmente almeja libertar-se dos tóxicos e evoluir espiritualmente. E garantimos que não há nenhuma droga no mundo que nos proporcionará a alegria de saber que sempre estaremos envolvidos pelo infinito amor de Deus, nosso Pai.

**************
 Irene Ibelli

O PROBLEMA DAS DROGAS


O Problema das Drogas

Não há dúvida de que o problema das drogas hoje, assim como nos últimos anos, vem tomando proporções preocupantes para todos nós. Se olharmos para as estatísticas, poderemos comprovar que nos dias atuais o número de usuários de drogas legais ou ilegais tem aumentado de forma assustadora entre nossos jovens. Vendo esse quadro, perguntamos: quais as razões que levam esses jovens a consumir drogas?
Vários motivos são citados: rebeldia, curiosidade, ficar com uma imagem boa entre certos amigos etc. Embora válidas, essas razões não são as mais importantes. A Doutrina Espírita mais uma vez nos vem socorrer, nos indicando como deveremos agir para superar esse problema. O espírito Joanna de Ângelis, no livro Adolescência e Vida, psicografado por Divaldo Pereira Franco, analisa esta problemática no capítulo O Adolescente e o Problema das Drogas (pág.122 a 126) nos afirmando que a falta de atenção da família é o principal motivo que leva o jovem a tentar resolver os seus problemas e conflitos interiores através do cigarro, do álcool e das drogas consideradas ilícitas. Diz ele que os pais "demonstrando incapacidade para resolver esse problema sem a ajuda de químicos ingeridos, abrem espaço na mente da prole para que ante dificuldades, fujam para o recanto da cultura das drogas que permanece em voga".
Esta conduta infelizmente não irá fazer com que esses jovens resolvam os problemas que os afligem. Pelo contrário, o uso de drogas apenas acarretará diversas problemáticas para aqueles que as usam, sendo a principal delas os complexos processos obsessivos que esses usuários de drogas se envolvem, já que entidades do mundo espiritual, que usaram drogas na Terra e que ainda não se libertaram deste vício, acabam procurando viciados encarnados para se acoplar em seus perispíritos, para absorver as emanações perniciosas provenientes do uso dessas substâncias. Este processo em longo prazo acaba por causar ao usuário de drogas distúrbios orgânicos graves, como câncer de pulmão, problemas no fígado e no sistema nervoso, devido ao enfraquecimento dos centros vitais do viciado em drogas. E caso não haja a libertação por parte do encarnado do vício das drogas, as conseqüências de seu uso se refletirão para além da morte do corpo físico e, em alguns casos, em futuras reencarnações. Como podemos ver, o destino daquele que faz uso de drogas será muito triste, casos ele não se resolva a largá-las o mais rápido possível.
Diante deste quadro, o que o Espiritismo nos aconselha para enfrentarmos esta situação? Joanna de Ângelis novamente em Adolescência em Vida nos aconselha que a terapia do amor é a mais eficaz para solucionar o problema das drogas. Esse amor demonstra-se pela maior atenção dos pais para com os filhos, demonstrado pela preocupação com a formação moral deles e o suprimento de suas necessidades afetivas. Os pais também devem buscar a ajuda do centro espírita, que poderá oferecer a seus filhos orientações valiosas sobre o perigo das drogas, através das aulas de evangelização e ajudar aqueles já viciados a se livrarem das drogas, através do tratamento espiritual pela água fluidificada, pelos passes e pelas reuniões de desobsessão, para que o espírito viciado em drogas também seja esclarecido. Porém, essas atitudes somente surtirão efeito com a reforma íntima do viciado, com seu desejo sincero de largar as drogas e evoluir moralmente.
Desta forma, as drogas não serão mais um problema para o ex-viciado, que agora poderá realmente ser feliz, sem a ajuda de nenhuma substância química. Para encerrar, diremos que o combate ao consumo de todos os tipos de droga é uma questão muito importante e deve ser encarada com muita seriedade por todos nós e, com a ajuda que a nossa querida doutrina espírita nos dá, essa chaga de nossa sociedade finalmente desaparecerá da face da Terra.

****************
 Irene Ibelli

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Mensagem de Bezerra de Menezes

Transcrevemos, abaixo, mensagem de Bezerra de Menezes,

 recebida pelo médium Divaldo Pereira Franco,

ao final da conferência pública em torno da maternidade,

realizada no Grupo Espírita André Luiz, no Rio de Janeiro,

na noite de 13 de agosto de 2009.)

Ela nos incentiva a um esforço maior e mais constante

 para desenvolvermos vibrações de amorosidade e paz

para os que nos cercam, tanto perto, quanto longe, ou seja,

 para toda a humanidade.
 

MENSAGEM DE BEZERRA

 

Cristãos Decididos
 …Estamos sendo convocados pelos Espíritos nobres para ser os lábios pelos quais a palavra de Jesus chegue aos corações empedernidos.
Estamos sendo convocados para ser os braços do Mestre, que afaguem, que se alonguem na direção dos mais aflitos, dos combalidos, dos enfraquecidos na luta.
Estamos colocados na postura do bom samaritano, a fim de podermos ser aquele que socorra o caído na estrada de Jericó da atualidade.
Nunca houve na história da sociedade terrena tantas conquistas de natureza intelectual e tecnológica!
Nunca houve tanta demonstração de humanismo, de solidariedade, tanta luta pelos direitos humanos!
É necessário, agora, que os cristãos decididos arregacem as mangas e ajam em nome de Jesus.
Em qualquer circunstância, que se interroguem: - em meu lugar que faria Jesus?
E, faça-o, conforme o amoroso Companheiro dos que não têm companheiros, faria.
Filhos da alma!
Estamos saturados de tecnologia de ponta, graças à qual, as imagens viajam no mundo quase com a velocidade do pensamento, e a dor galopa desesperada o dorso da humanidade em desalinho.
O Espiritismo veio como Consolador para erradicar as causas das lágrimas.
Sois os herdeiros do Evangelho dos primeiros dias, vivenciando-o à última hora.
Estais convidados a impregnar o mundo com ternura, utilizando-vos da compaixão.
Periodicamente, neste planeta de provas e expiações, as mentes em desalinho vitalizam microorganismos viróticos que dão lugar a pandemias destruidoras.
Recordemo-nos das pestes que assolaram o mundo: a peste negra, a peste bubônica, as gripes espanhola, a asiática e a deste momento de preocupações, porque as mentes dominadas pelo ódio, pelo ressentimento, geram fatores propiciatórios à manifestação de pandemias desta e de outra natureza.
Só o amor, meus filhos, possui o antídoto para anular esses terríveis e devastadores acontecimentos, desses flagelos que fazem parte da necessidade da evolução.
Sede vós aquele que ama.
Sede vós, cada um de vós, aquele que instaura o Reino de Deus no coração e dilata-o em direção da família, do lugar de trabalho, de toda a sociedade.

Não postergueis o dever de servir para amanhã, para mais tarde.
Fazei o bem hoje, agora, onde quer que se faça necessário.
As mães afro-descendentes, as mães de todas as raças, em um coro uníssono, sob o apoio da Mãe Santíssima, oram pela transformação da Terra em Mundo de Regeneração.
Sede-lhes filhos dóceis à sua voz quão dócil foi o Crucificado galileu que, ao despedir-se da Terra, elegeu-a mãe do evangelista do amor, por extensão, a Mãe Sublime da Humanidade.
 
Muita paz, meus filhos.
Que o Senhor de bênçãos nos abençoe.
O servidor humílimo e paternal de sempre,
 
                                                Bezerra


(Aproveitamos a "deixa" para convidá-lo a participar da Rede Mundial do Afeto, a fim de receber semanalmente um e-mail com as vibrações a serem feitas. Veja detalhes em www.rededoafeto.org )

 

 

 

Fixe sua visão espiritual no mundo de regeneração

para o qual já estamos começando a transitar.

 

Mas lembre-se que são necessárias algumas 

 transformações interiores e muito empenho

de cada um que lá quiser chegar.

www.mundoespiritual.com.br

 

 
 
 Irene Ibelli

A TRANSIÇÃO ESTÁ PEDINDO MUDANÇAS...




Se estamos transitando de "provas e expiações" para

"mundo de regeneração", o que isto significa?

Podemos continuar apáticos, esperando que "Deus estale

os dedos lá em cima" e as mudanças indispensáveis aconteçam cá embaixo?

E quais seriam essas mudanças?

É fácil perceber que estamos vivendo o final de uma

civilização decadente, mas também já é possível vislumbrar que estamos ensaiando os primeiros passos sobre a ponte

que nos levará a uma nova época.

Também nos meios espíritas há sinais dessa

transição, principalmente nas expectativas que se desenham

nos corações de grande número de companheiros, clamando

por mudanças, por novos enfoques, assim como também no trabalho de outros tantos, visando mais praticidade e

otimização na difícil tarefa de CRESCIMENTO INTERIOR,

que reflete a finalidade maior do próprio Espiritismo.

O movimento espírita está numa espécie de repetição da história do cristianismo primitivo, numa fase decisiva em sua caminhada. É como se estivéssemos diante de duas portas, uma larga e outra estreita, exatamente como na advertência de Jesus.

A larga dá acesso a um caminho também largo e confortável, que segue através da planície. A outra dá acesso a um caminho pedregoso, estreito, que sobe pelas escarpas da montanha, numa jornada difícil e sacrificial.

Pelo caminho largo, não precisamos estar constantemente em alerta, observando onde pisar, nem fazer muito esforço para caminhar. Basta deixar-nos levar.

No estreito, a subida é difícil. Nossos pés se machucam nos pedregulhos, enquanto o corpo vai se ferindo nos espinhos, mas, em meio aos pedregulhos, crescem lírios brancos a embelezar e perfumar nosso ambiente e, em torno dos espinhos que nos ferem, encontramos folhas verdes a simbolizarem esperança. O suor que escorre pelo rosto e pelo corpo, nos esforços da subida, reflete a purificação da nossa alma pela eliminação de toxinas espirituais, do lixo interior que fomos acumulando ao longo do tempo. E quando menos esperamos, alcançamos o topo da montanha de uma nova etapa evolutiva.

Olhando então para trás, para os caminhos difíceis que acabamos de percorrer, nossa alma se encherá de alegria pelas escolhas acertadas que fizemos.

Mas... se a escolha foi o caminho largo e fácil, já que temos o direito de escolher...

Quando Jesus veio trazer novos paradigmas à humanidade, seus seguidores tiveram a missão de levar aquelas idéias para o mundo. Se eles tivessem seguido pelo caminho largo, o da planície, o cristianismo teria morrido em seu nascedouro, mas aqueles cristãos fizeram do "vivenciar os ensinamentos de Jesus e difundir a Boa Nova" o seu projeto de vida, a sua primeira prioridade, a meta para a qual caminharam sem medir esforços nem sacrifícios. Foi uma entrega total. Assim, seguindo pelo caminho estreito e entregando as próprias vidas em sacrifício, eles conseguiram fazer com que a mensagem da Boa Nova pudesse atravessar os séculos e, mesmo de forma distorcida, chegar até nós.

Hoje estamos numa nova fase de transição; desta vez, muito mais radical porque o mundo vai mudar de grau. De "provas e expiações" passará à condição de "mundo de regeneração". Com isso, as imensas legiões de espíritos empedernidos no mal, sabendo que poderão ser exiladas para mundos inferiores, estão "jogando todas as suas cartas" na tentativa de dominar o planeta e aqui permanecer.

Pode-se então facilmente observar o quanto essa fase está sendo conturbada, com as legiões do mal aplicando todos os seus recursos, sua ciência e tecnologias para vencer quaisquer esforços que visem à iluminação do ser.

Estamos assim novamente diante das duas portas, a larga e fácil e a estreita e difícil, só que as dificuldades de agora são diferentes. Diria até que são maiores, porque naquela época ainda pairava no ar a presença do Mestre e seus ensinos e exortações eram repetidos diuturnamente pelos seus seguidores, inflamando-os. Seus corações pulsavam na vibração da Boa Nova, como se fosse o próprio cântico dos anjos a se espalhar sobre os montes, vales e cidades, abençoando corações que há muito aguardavam por ela.

Hoje, temos um movimento espírita formado por diversos tipos: os que aderiram à nossa doutrina, por achá-la coerente; os que chegaram empurrados pelo sofrimento e aqueles outros, poucos, cujos corações pulsam ao ritmo da revelação espírita e que fizeram do espiritismo seu projeto de vida.

A situação é bem diferente daquela do primitivo cristianismo, porque o espiritismo institucionalizou-se, perdendo o ar de cumplicidade geradora de companheirismo e fraternidade. Por outro lado, os poderes das trevas tudo fazem, não para destruí-lo ou parar a sua marcha, mas para evitar que se aloje nos corações e realize as transformações que o Mestre espera.

Nesse contexto, é fácil observar como os estudos doutrinários, os cursos e as atividades caritativas que são realizadas nos meios espíritas pouca resistência encontram, mas qualquer ação visando à "vivência" dos conteúdos espíritas encontra grandes dificuldades para se firmar e produzir efeitos. Nota-se uma espécie de apatia, de desinteresse por propostas que visem, de forma prática e concreta, levar à vivência da amorosidade, da alteridade (respeito pelo pensamento dos outros, por sua maneira de ser, de viver, por seus direitos, etc.), da humildade e demais valores. A propósito, cabe lembrar o que disse Ermance Dufaux: "Espiritismo na cabeça é informação. No coração é transformação".

É verdade que, paralelamente, vem acontecendo um despertar para a busca desses valores, mas isto reflete a minoria e mesmo os grupos que se formam visando a esse crescimento interior encontram grandes dificuldades a fim de conseguir melhores resultados. É o trabalho maciço das sombras contra essas luzes.

Vemos então que este é o momento de relembrarmos os primitivos cristãos, a sua entrega, o seu amor, a sua renúncia, para ganharmos nós também mais disposição e energia em nossa luta com vistas a vencer as forças do mal. Também importa lembrar que o foco principal dessa luta deve estar em nossa TRANSFORMAÇÃO INTERIOR.

Lembremos que os cristãos primitivos vivenciavam realmente os ensinamentos de Jesus, tanto na prática da caridade quanto em suas atitudes. Depois, tudo foi se transformando. O foco foi mudando até institucionalizar-se numa igreja, a Católica Apostólica Romana.

Será que vamos deixar o espiritismo também acabar como mera instituição de caráter filosófico, científico e religioso, crescendo em número de centros e de adeptos, "mostrando a cara" ao mundo, como tantos desejam, mas sem cumprir a sua finalidade maior, que é a transformação do ser?

Diante do exposto, cuja realidade qualquer espírita militante percebe facilmente, observa-se a necessidade (urgente) de mudanças nos meios espíritas, nas atividades dos centros, na mentalidade dos dirigentes e dos trabalhadores, no convívio na casa espírita, na forma como vivenciamos e apresentamos o espiritismo àqueles que nos procuram.

Procuremos então refletir, fazer reuniões, trocar idéias, criar fóruns de debates, tudo que for preciso para percebermos quais mudanças estão sendo necessárias, e o quê e como fazer para difundir tais percepções e/ou implementá-las.

(Trechos do opúsculo " O espiritismo em época de transição"

Outras questões relacionadas são analisadas no livro

"A Transição está pedindo mudanças", que pode ser adquirido
na ALIANÇA DISTRIBUIDORA E EDITORA DE LIVROS ESPÍRITAS (SP)

Também pode ser baixado no link: Download do sitte abaixo:
http://www.projetocrescer.org

***************http://terceiromilenioxplanetaterra.blogspot.com

Irene Ibelli

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

CAMINHADA


Caminhada...

A caminhada terrena por vezes é difícil e penosa, mas sabemos que ela tem como meta o nosso crescimento, a nossa elevação.
Tropeços, tentações e desvios são os meios que Deus se utiliza para nos testar em nossa conduta moral.
Filhos desajustados, cônjuges difíceis e parentes desarmonizados são colocados ao nosso lado para que na convivência possamos exercitar a paciência, a tolerância, o entendimento.
A dor, o sofrimento, as lágrimas são os meios utilizados para nos testar em nossa fé, resignação e submissão a vontade do Pai.
O irmão que grita por socorro, que pede pelo alimento, pelo agasalho, é o meio utilizado para nos testar no serviço da caridade.
Deus o Pai, nos enviou seu filho maior para nos servir de guia e modelo. Seus ensinamentos foram deixados para que nos servissem de guia moral, para exercitarmos a benevolência, a fraternidade e o amor ao nosso irmão.
Este é o nosso desafio maior, refletir sobre esse legado e lembrarmos-nos do ensinamento maior do Amor a Deus e ao nosso próximo como Jesus amou e ama.
Seus exemplos aí estão para serem seguidos, basta que o nosso coração esteja aberto para que o Mestre faça a sua morada.
De um irmão sempre presente
A todos os amigos da Fraternidade
Mensagem recebida, pelo
Grupo de Estudos de Psicografia da
Fraternidade Francisco de Assis
em 16/02/2011
 
************
 Irene Ibelli

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

SAÚDE E ENFERMIDADE


1 - Todo sofrimento físico implica em pagamento de débitos cármicos? Uma dor de dente, por exemplo? 
É mais provável que os dentes lhe doam porque você não os escova regularmente. As dores físicas geralmente são avisos de nosso corpo sinalizando que estamos cuidando mal dele.
2 - O que seria cuidar bem do corpo?
Atender suas necessidades. Nosso corpo é uma máquina que usamos para o trânsito pela Terra. Como toda máquina, ele tem regras de funcionamento. É fundamental observá-las, a fim de que não nos cause embaraços.
3 - Quais os cuidados fundamentais em relação ao corpo?
O regime alimentar, por exemplo. Se você come além do razoável, engorda; se faz uso indiscriminado de determinados alimentos, intoxica as células; se não observa o balanceamento adequado de nutrientes, perturba o metabolismo. Há muita gente doente simplesmente em função de uma alimentação errada.
4 - Outros cuidados?
Exercícios, repouso, trabalho disciplinado, higiene... Tudo isso é fundamental para conservar o corpo saudável, usando-o pelo tempo que Deus nos concede, sem maiores contratempos.
5 - Não vivemos sempre um tempo certo concedido por Deus?
Que morreremos todos é uma certeza. Quanto à hora de nossa morte depende de como vivemos. Muita gente é despejada do corpo, com anos de antecedência, qual inquilino descuidado, por havê-lo comprometido por falta de elementares cuidados de conservação.
6 - É comum isso acontecer?
Raro é morrer no tempo certo, dentro dos prazos concedidos por Deus, porqüanto passamos a existência a abusar do corpo, desgastando-o com viciações, excessos e desregramentos.
7 -Se em plena juventude vamos observar semelhantes preocupações, como curtir a vida? Tantos cuidados parecem-me uma tremenda caretice, mera perda de tempo.
Na verdade há certas experiências que só o tempo ensina. O problema é que quando isso lhe acontecer já não lhe servirá. O estrago estará feito. Não obstante, considere que curtir a vida, no bom sentido, seria aproveitar as oportunidades de edificação que ela nos oferece.
8 -Fazer tudo certinho?
Seria pedir demais. Tente apenas cultivar um pouco de reflexão. Parar e pensar, conversando com seus botões, a perguntar-se o que anda fazendo consigo mesmo. Faz algo de útil em relação à aquisição de valores que atendam ao Espírito eterno, ou apenas está perdendo tempo com fantasias?


 Irene Ibelli

domingo, 20 de fevereiro de 2011

DIANTE DA TERRA - EMMANUEL

DIANTE  DA  TERRA
 

Emmanuel

 

Teríamos sido, porventura, situados na gleba do mundo para fugir de colaborar no progresso do mundo, quando o mundo nos provê com todas as possibilidades necessárias ao progresso de nós mesmos?

Muitos companheiros se marginalizam em descanso indébito, junto à seara, alegando que não suportam os chamados problemas intermináveis do mundo; desejariam a estabilidade e a harmonia por fora, a fim de se mostrarem satisfeitos na Terra, quando a harmonia e a estabilidade devem morar por dentro de nós, de modo a que nossos encargos, à frente do próximo, se façam corretamente cumpridos.

O mundo, em todo tempo, é uma casa em reforma, com a lei da mudança a lhe presidir todos os movimentos, através de metamorfoses e dificuldades educativas.

O progresso é um caminho que avança. Daí, o imperativo de contarmos com oposições e obstáculos toda vez que nos engajemos na edificação da felicidade geral.

Omissão, no entanto, é parada significando recuo.

Entendamo-nos na posição de obreiros, sob a pressão de crises renovadoras.

Todos faceamos permanente renovação, a cada passo da vida.

Nem tudo que tínhamos ontem por certo, nos quadros exteriores da experiência, continua como sendo certo nas horas de hoje. Os ideais e objetivos prosseguem os mesmos, a nos definirem aspiração e trabalho; entretanto, modificaram-se instrumentos e condições, estruturas e circunstâncias.

A Terra, porém, nos pede cooperação no levantamento do bem de todos e a ordem não é deserção e sim adaptação. Em suma, estamos chamados à vivência no mundo, a fim de compreendermos e melhorarmos a vida em nós e em torno de nós, servindo ao mundo, sem deixarmos de ser nós mesmos, e buscando a frente, mas sem perder o passo de nossos contemporâneos, para que não venhamos a correr o risco de seguir para frente demais

 

Francisco Cândido Xavier.

Da obra: Rumo Certo.

Ditado pelo Espírito Emmanuel.
 

Fonte: http://universoespirita.org.br

l.

 

TRILOGIA TERRESTRE

                                               


                                              TRILOGIA  TERRESTRE

Se desejas respirar
A Vida Superior,
Não desdenhes estender
Serviço, perdão e amor.

Muitos transportam consigo
Tédio e luta, sombra e dor,
Por lhes faltarem à vida
Serviço, perdão e amor.

Repara o mundo em que vives
E, atento, seja onde for,
Colherás, em toda a parte,
Serviço, perdão e amor.

O sol, o mar, a montanha,
O caminho, a fonte e a flor
Espalham alegremente
Serviço, perdão e amor.

Em tudo perceberás
A essência do Criador,
Luzindo e frutificando
Serviço, perdão e amor.
Assim, pois, estrada afora,
Por trio renovador,
Guarda sempre, onde estiveres,
Serviço, perdão e amor.

Não carregues, por algemas,
Tristeza, mágoa e rancor;
Liberta-te, semeando
Serviço, perdão e amor.

Injúrias, pedras, ofensas?
Injustiça, desprimor?
Oferece a cada golpe
Serviço, perdão e amor.

Onde surja o sofrimento,
Gritando, escarnecedor,
Silencia, cultivando
Serviço, perdão e amor.

Todo o Evangelho do Cristo
Refulge consolador,
Na trilogia celeste:
Serviço, perdão e amor.

Quem procura caminhar
Na inspiração do Senhor,
Trabalha, distribuindo
Serviço, perdão e amor.

CASIMIRO CUNHA
Pássaros Humanos - Francisco Cândido Xavier -
Autores Diversos

 

sábado, 19 de fevereiro de 2011

MENSAGEM MEDIÚNICA DO DR. BEZERRA DE MENEZES


MENSAGEM MEDIÚNICA DE BEZERRA
Por Divaldo Franco
(13.11.2010 – Los Angeles)

"Meus filhos:

Que Jesus nos abençoe

A sociedade terrena vive, na atualidade, um grave momento mediúnico no qual, de forma inconsciente, dá-se o intercâmbio entre as duas esferas da vida. Entidades assinaladas pelo ódio, pelo ressentimento, e tomadas de amargura cobram daqueles algozes de ontem o pesado ônus da aflição que lhes tenham proporcionado. Espíritos nobres, voltados ao ideal de elevação humana sincronizam com as potências espirituais na edificação de um mundo melhor.
 As obsessões campeiam de forma pandêmica, confundindo-se com os transtornos psicopatológicos que trazem os processos afligentes e degenerativos.

Sucede que a Terra vivencia, neste período, a grande transição de mundo de provas e de expiações para mundo de regeneração.
Nunca houve tanta conquista da ciência e da tecnologia, e tanta hediondez do sentimento e das emoções. As glórias das conquistas do intelecto esmaecem diante do abismo da crueldade, da dissolução dos costumes, da perda da ética, e da decadência das conquistas da civilização e da cultura...

Não seja, pois, de estranhar que a dor, sob vários aspectos, espraia-se no planeta terrestre não apenas como látego mas, sobretudo, como convite à reflexão, como análise à transitoriedade do corpo, com o propósito de convocar as mentes e os corações para o ser espiritual que todos somos.
Fala-se sobre a tragédia do cotidiano com razão.

As ameaças de natureza sísmica, a cada momento tornam-se realidade tanto de um lado como de outro do planeta. O crime campeia a solta e a floração da juventude entrega-se, com exceções compreensíveis, ao abastardamento do caráter, às licenças morais e à agressividade.

Sucede, meus filhos, que as regiões de sofrimento profundo estão liberando seus hóspedes que ali ficaram, em cárcere privado, por muitos séculos e agora, na grande transição, recebem a oportunidade de voltarem-se para o bem ou de optar pela loucura a que se têm entregado. E esses, que teimosamente permanecem no mal, a benefício próprio e do planeta, irão ao exílio em orbes inferiores onde lapidarão a alma auxiliando os seus irmãos de natureza primitiva, como nos aconteceu no passado.

Por outro lado, os nobres promotores do progresso de todos os tempos passados também se reencarnam nesta hora para acelerar as conquistas, não só da inteligência e da tecnologia de ponta, mas também dos valores morais e espirituais. Ao lado deles, benfeitores de outra dimensão emboscam-se na matéria para se tornarem os grandes líderes e sensibilizarem esses verdugos da sociedade.

Aos médiuns cabe a grande tarefa de ser ponte entre as dores e as consolações. Aos dialogadores cabe a honrosa tarefa de ser, cada um deles, psicoterapeutas de desencarnados, contribuindo para a saúde geral. Enquanto os médiuns se entregam ao benefício caridoso com os irmãos em agonia, também têm as suas dores diminuídas, o seu fardo de provas amenizadas, as suas aflições contornadas, porque o amor é o grande mensageiro da misericórdia que dilui todos os impedimentos ao progresso – é o sol da vida, meus filhos, que dissolve a névoa da ignorância e que apaga a noite da impiedade.
Reencarnastes para contribuir em favor da Nova Era.

As vossas existências não aconteceram ao acaso, foram programadas.

Antes de mergulhardes na neblina carnal, lestes o programa que vos dizia respeito e o firmastes, dando o assentimento para as provas e as glórias estelares.

O Espiritismo é Jesus que volta de braços abertos, descrucificado, ressurreto e vivo, cantando a sinfonia gloriosa da solidariedade.

Dai-vos as mãos!

Que as diferenças opinativas sejam limadas e os ideais de concordância sejam praticados. Que, quaisquer pontos de objeção tornem‑se secundários diante das metas a alcançar.
Sabemos das vossas dores, porque também passamos pela Terra e compreendemos que a névoa da matéria empana o discernimento e, muitas vezes, dificulta a lógica necessária para a ação correta. Mas ficais atentos: tendes compromissos com Jesus...

Não é a primeira vez que vos comprometestes enganando, enganado-vos. Mas esta é a oportunidade final, optativa para a glória da imortalidade ou para a anestesia da ilusão.

Ser espírita é encontrar o tesouro da sabedoria.

Reconhecemos que na luta cotidiana, na disputa social e econômica, financeira e humana do ganha-pão, esvai-se o entusiasmo, diminui a alegria do serviço, mas se permanecerdes fiéis, orando com as antenas direcionadas ao Pai Todo-Amor, não vos faltarão a inspiração, o apoio, as forças morais para vos defenderdes das agressões do mal que muitas vezes vos alcança.

Tende coragem, meus filhos, unidos, porque somos os trabalhadores da última hora, e o nosso será o salário igual ao do jornaleiro do primeiro momento.

Cantemos a alegria de servir e, ao sairmos daqui, levemos impresso no relicário da alma tudo aquilo que ocorreu em nossa reunião de santas intenções: as dores mais variadas, os rebeldes, os ignorantes, os aflitos, os infelizes, e também a palavra gentil dos amigos que velam por todos nós.

Confiando em nosso Senhor Jesus Cristo, que nos delegou a honra de falar em Seu nome, e em Seu nome ensinar, curar, levantar o ânimo e construir um mundo novo, rogamos a Ele, nosso divino Benfeitor, que a todos nos abençoe e nos dê a Sua paz.

São os votos do servidor humílimo e paternal de sempre,

Bezerra."

 
 

O RENASCER

O RENASCER

Normalmente discutimos as questões referentes ao renascimento corporal, entrelaçando esse ou aquele argumento, perpassando impressões e casos vários, probatórios, do nosso conhecimento.

O renascimento no corpo, todavia, reclama o nosso esforço, no sentido de refazer a própria romagem, utilizando-nos das felizes lições que a Doutrina do Consolador vem-nos apresentando, há tanto tempo.

Renascer em nova indumentária fisiológica é reencarnar. Muito embora o peso que o termo deixa transparecer para alguns, não resta dúvida de que, sendo lei divina, todos nela estamos incursos. Os que creem na ação dessa lei quanto os que não a admitem, todos estamos sujeitos ao seu comando.

O ressurgimento no corpo, concitando-nos à mudança de posicionamento ético em face das vivências que empreendemos, torna necessária a observação das recomendações ou dos lembretes que nos chegam por meio da mostragem dos que estão lacrimosos, sofridos e marcados por rudes expiações no mundo, junto a tantos que remoem amarguras de aparência interminável.

Mas, ao lado disso, verificamos os que se gloriam no trabalho são e afanoso, contínuo e feliz, na expansão das alegrias e da esperança, do amor e do bem, na trajetória dos seus dias. Acompanhemos esses quadros, a fim de fazermos nossa própria escolha, uma vez que sabemos que a colheita que se faz agora não passa do resultado da sementeira efetuada por nós mesmos, em outra ocasião...

Ante a bênção do renascimento em que você está matriculado, não desdenhe as experiências que o alcançam, convocando-o ao serviço para o encontro com Jesus, nosso Senhor.

Trabalhe e aprimore-se. Aprimore-se e sirva. Sirva e passe, fazendo luz a sua volta, clareando a sua reencarnação, renascendo também em espírito, assemelhando-se ao Criador pelo amor que espalhe.

 

  http://www.raulteixeira.com

Médium: J. Raul Teixeira.

 

fonte: www.caminhosluz.com.br

 
 Irene Ibelli

ÁLCOOL BENGALA DO FRACO


Álcool: bengala do fraco

Crescem a cada dia os dependentes de bebidas alcoólicas.
As crianças nem precisam comprá-las, pois as adegas dos pais dão perfeitamente para sustentar seus vícios, pois mais parecem lojas de bebidas, onde os empregados da
casa também são consumidores de álcool.

O alcoolismo está tão intenso no Brasil que
ninguém pode imaginar. É doloroso que ditos grandes homens vivam alcoolizados,
quando bem sabemos que um cérebro
movido a álcool pouca capacidade possui.

Todos os vícios são como parasitas.

Chegam para se colar na gente, mas se o
espírito desejar, ele é ele, ser pensante,
chama eterna, luz bendita da vida; portanto,
como pode ser prisioneiro de algo que não possui inteligência? O álcool é o ácool, a droga é a droga.

O homem, entretanto, tem um espírito, que está vestido do perispírito, e ainda possui outro corpo, chamado duplo etérico, além do corpo físico.

Nesse último corpo existe um cérebro que pesa cerca de 1.200 gramas e é formado de dois hemisférios: direito e esquerdo, e cada hemisfério dividido
em quatro lóbulos: frontal, parietal, temporal

Nele está a sede das atividades intelectuais e sensoriais.
 Portanto, sendo o
homem um ser inteligente, não pode se deixar dominar pelo vício.

 A bebida, a droga ou a
comida não possuem força.

Agora, o homem é possuidor dela desde que a busque em si próprio,
no seu interior.

 Dessa forma tornar-se-á um deus
e vencerá as coisas perecíveis.

Está nas nossas
mãos fortalecermos os nossos espíritos.

Luiz Sérgio in "Lírios colhidos"

 
e
occipital.